Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

o outro cantinho da Maria

este cantinho é um complemento ao cantinho da casa onde publicarei as minhas leituras, os desafios e as minhas fotografias.

o outro cantinho da Maria

05
Set21

Um momento de coragem # 3

Maria Araújo

chuva.jpg

 

Estrada  da Póvoa de Lanhoso - Braga, 17h30 da tarde, a chuva caía há mais de meia hora, meti-me a caminho de casa naquele dia de inverno, noite escurada carga de água que caíra um pouco antes de me meter a caminho de casa.

A estrada estava completamente encharcada, não se via nada, nem as linhas separadoras das vias da estrada.

O trânsito no sentido Braga- PVL não existia, mas nós precisávamos de chegar a casa.

Conduzia a 20 à hora, os meus olhos colados ao pára-brisas. Confesso que estava cheia de medo.

A minha colega de viagem estava pior que eu, dizia que não conseguiríamos chegar a Braga, talvez fosse melhor encostarmos à berma,numa das rectas da estrada, até passar algum carro que servisse de "guia".

Mas eu continuava,devagar, muito devagar.

Quando chegámos a Braga por todo o lado via-se água, água, água.

No túnel junto ao hotel Meliã, que eu esperava ver entupido, circulava-se bem para quem ia para o centro.

Do outro lado da faixa, junto à rotunda um rio de água seguia o seu percurso, frenético.

Na minha faixa estava mais calmo, até ao momento em que me aproximei da ponte por cima da rotunda, e um grande lago de água fazia com que os carros ficassem na fila para contorná-la, talvez porque se sentissem mais seguros. 

Eu teria de a subir, porque era o meu caminho, mas não via nenhum carro fazê-lo, até que, de repente, vi uma viatura sair da fila, fez viu-se um  splash de água por todo o lado,  subiu a ponte.

"Se ele conseguiu, eu também consigo", comentei com colega.

Senti algum receio,  a minha colega pedia para não a subir, não sabíamos como estaria do outro lado.

Enchi-me de coragem, passei aquele grande charco de água com muito cuidado e, devagar, subi a ponte.Quando a descemos, do outro lado da via o trânsito estava parado, e para nosso alívio não havia qualquer charco de água quando chegamos ao fim da descida.

"Foste corajosa meteres-te ao caminho, conduziste com cuidado e segurança, atreveste-te a subir a ponte. Oxalá nunca mais aconteça uma tempestade como esta, mas contigo estou segura." comentou.

Semáforos desligados, meti por uma rua com menos trânsito para deixar a colega no centro da cidade. A chuva parara, deixei-a no cruzamento da avenida e meti por outra, praticamente sem trânsito, e que dá acesso à minha rua.

Um suspiro de alívio, quando cheguei a casa. 

 

05
Set21

um lugar querido # 2

Maria Araújo

desafio da Ana

 

moinho.jpeg

a SIC ia transmitir para todo o país, e para quem não pôde estar "in loco" no Rock in Rio, o cantor da minha geração,  Bryan Adams.

Uma hora antes da transmissão, cansada da caminhada que fizera, decidi ver o  filme "The war of the roses", em DVD.

Mas adormeci...
Despertei ainda o filme passava.  Desliguei-o e liguei para a SIC.
Bryan Adams já estava em palco. 

Gosto muito de o ouvir e, quando passa na rádio, canto, oh, se canto! 

Não ouvi "The summer of 69" a canção que passa, e passará, por todas as gerações.

Onde estava eu no Summer of 69? Na que foi, até à idade adulta, a minha praia: Apúlia.

E lembro-me que tinhamos um rádio portátil azul, que levávamos para a praia e desfrutávamos do verão hippie da mudança, da minissaia, dos calções, do biquini, das serenatas, dos bailes no clube.

Inesquescível, Summer of 69, e outros que aconteceram desde então.

Hoje, apesar de não fazer praia em Apúlia, passeio por lá nos dias de sol de qualquer estação,que não seja o verão.

Apúlia, um lugar querido, um lugar que me traz lembranças maravilhosas sempre que lá vou  comer a tosta mista e beber o panachê.

05
Set21

uma memória feliz # 1

Maria Araújo

 desafio da Ana

 

DSC03510 ves b&w e c sepia 750x553x72 copy.jpg

Sorriso

Na sala de espera do consultório, olhava o aparelho de televisão.

Uma paisagem asiática passava naquele momento. 

Prestei mais atenção.

No  canal Odisseia, passava um documentário sobre a vida de uma aldeia, que presumi ser no Vietname. Uma jovem mestiça explicava a vida na aldeia.

Uma senhora magra, vestida de calças, um lenço atado ao chapéu, apertado no seu queixo,  dizia que tinha perdido tudo: casa, móveis, campos, colheitas.

Observei as pessoas que estavam na sala de espera.  Embora o som não estivesse alto, todos os presentes, que antes olhavam o telemóvel, foram alertados pela voz do televisor.

Um idoso empurrava um carro carregado de madeira, e puxado por um boi. A magra senhora falava com o idoso e sorria, ao mesmo tempo que a se ouvia voz do comentador; " fazia aquela longa viagem diariamente da aldeia(...), transportava a madeira para a povoação".

 E a imagem fixava a magra senhora, sempre sorridente, ao mesmo tempo que falava com o idoso.

O idoso seguiu o seu caminho.

Ela ficou com a jovem mestiça.Esta fez uma perguntara à senhora que traduzida pelo comentador para portugês, foi:  "ficou sem nada e sempre com esse sorriso? ".

Emocionei-me. Fiquei feliz ver que uma  mulher humilde, com ar inocente, sorria apesar das adversidades da vida.

Gente pobre, vivendo da agricultura e que as cheias levaram tudo, inclusive a casa, mas o sorriso permanecia.

Ficou-me na memória este sorriso.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

a ler

desafio de leitura

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub